Contato / Chat
LiveZilla Live Help
COREN-RS
Acesso do Profissional

CADASTRE-SE | LEMBRAR SENHA

Acesso à Informação
Página inicial >>> SERVIÇOS >>> Notícias

 versão para impressão

18/06/2020
Justiça nega liminar e mantém normas sobre ultrassom obstétrico



A Justiça Federal negou liminar do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) para suspender as normativas sobre a realização de ultrassonografia por enfermeiras(os) obstétricas(os) especializadas(os). O procedimento, respaldado por pareceres técnicos, é normatizado pela Resolução Cofen 627/2020. Para acessar, CLIQUE AQUI. 

“É uma grande vitória da Enfermagem e das mulheres brasileiras”, ressalta o presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Manoel Neri, lembrando exame é realizado em maternidades e outros locais de assistência à gestante, para auxiliar na tomada de decisões rápidas e seguras. “A ofensiva judicial do Cremesp contra o Cofen e o Coren-MG busca limitar a atuação profissional para garantir reserva de mercado, desconsiderando a realidade dos serviços de saúde”, avalia.

O Cofen se posicionou sobre a questão em 2015, por meio de parecer que respondeu a um questionamento do Hospital Sofia Feldman, referência nacional em parto humanizado e alto risco. O Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais (Coren-MG) também emitiu parecer técnico.

A resolução de 2020 traz mais segurança, uniformizando nacionalmente o entendimento dos Conselhos de Enfermagem. “Não há qualquer incompatibilidade com o ato médico. Inclusive, a resolução Cofen veda expressamente a emissão do laudo”, afirma a procuradora-geral do Cofen, Tycianna Montealegre.

Má-fé processual - O Ministério Público Federal (MPF) manifestou-se pelo arquivamento dos processos e pediu a condenação do Cremesp por omitir, nos autos, já ter movido ação anterior contra o Cofen sobre a normatização das ultrassonografias obstétricas, extinta pela Justiça.
Para o juiz federal Marcelo Aguiar Machado, “trata-se de informação relevante e sonegada pela parte autora, em desacordo com o disposto no artigo 5 do CPC, que impõe o dever de se comportar de acordo com a boa-fé objetiva, agindo assim de forma cooperativa e leal. Não é isso que se viu no presente caso, restando a este juízo admoestar a parte autora nos termos do artigo 139, III, do CPC”. O juízo vai apurar e julgar o pedido de condenação por litigância de má-fé, conforme requerido pelo MPF, quando emitir a sentença.

Fonte: Ascom - Cofen

Compartilhe esta notícia com outras pessoas:

Outras noticias

18/04/2024
Fiocruz lança guia de combate à desinformação para profissionais de saúde


18/04/2024
Coren-RS participa de reunião de alinhamento de tesoureiros do Sistema Cofen/Corens


17/04/2024
Nova diretoria do Cofen é eleita: Daniel Menezes é escolhido como vice-presidente e Manoel Neri retorna à presidência


17/04/2024
Prestes a firmar convênio com os EUA, Cofen já ajudou 3.224 profissionais de Enfermagem vítimas de desastres


 
 
Atendimento apenas por agendamento prévio. Clique aqui para agendar seu horário.
Av. Plínio Brasil Milano, 1155 - Bairro Higienópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90520-002 - Fone (51) 3378.5500
©2016 - COREN-RS - Desenvolvido pela Assessoria de Tecnologia da Informação do COREN-RS