Contato / Chat
LiveZilla Live Help
COREN-RS
Acesso do Profissional

CADASTRE-SE | LEMBRAR SENHA

Acesso à Informação
Página inicial >>> SERVIÇOS >>> Notícias

 versão para impressão

13/06/2017
Seguindo o parecer do Coren-RS, Cofen cassa registro profissional da enfermeira Graciele Ugulini


O Colégio de Presidentes, última instância do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), julgou, nesta terça (13), o processo ético-disciplinar contra a enfermeira Graciele Ugulini, ré por homicídio qualificado na morte do enteado Bernardo Boldrini, assassinado em abril de 2014, aos 11 anos. O Conselho Federal decidiu pela cassação da enfermeira por 30 anos, seguindo o parecer encaminhado em agosto de 2016 pelo Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (Coren-RS). O presidente do Conselho, Daniel Menezes de Souza fez a sustentação oral, pedindo a manutenção da pena.

No final de agosto de 2016, os(as) conselheiros(as) do Coren-RS votaram por unanimidade pela indicação de cassação do direito ao exercício profissional da denunciada, que teria infringido com seus atos os artigos 9º e 34º do Código de Ética da Enfermagem.

Entenda o processo ético-disciplinar
O processo ético-disciplinar contra a enfermeira Graciele foi instaurado pelo Coren-RS em junho de 2014, dois meses após ter sido encontrado o corpo do menino Bernardo, em decorrência da ampla divulgação do fato pela imprensa e da constatação, após investigação policial, de que a denunciada teria feito parte do esforço criminoso que levou à morte do enteado. Os trâmites legais do Coren-RS garantiram a ampla defesa da ré. 
 
Parecer e decisão do Coren-RS
A plenária do Coren-RS concluiu, em agosto de 2016, que a enfermeira Graciele teria participado de atos premeditados, com o objetivo de causar a morte do menino Bernardo, utilizando-se de seu conhecimento técnico na área da Enfermagem para chegar ao resultado do homicídio. 

Segundo o presidente do Coren-RS, Daniel Menezes de Souza, todo o processo de levantamento das provas testemunhais e análise dos documentos fornecidos pela Justiça foram feitos de forma muito criteriosa pelos(as) conselheiros(as) e enfermeiros(as) designados(as) e pelo corpo jurídico do Conselho. “Esta é uma decisão dolorosa, por envolver uma profissional e a morte de uma criança, mas necessário do ponto de vista técnico e humano”, argumentou. Daniel também lembrou a prerrogativa do Coren-RS em zelar pela conduta ética da categoria, enquanto órgão que disciplina e fiscaliza o exercício profissional no Rio Grande do Sul. “É lamentável que profissionais da Enfermagem utilizem seus conhecimentos técnicos para tirar uma vida, quando a profissão existe para preservar vidas”, finalizou.

Fonte: Departamento de Comunicação Institucional
Foto: Cofen

Compartilhe esta notícia com outras pessoas:

Outras noticias

30/01/2023
Coren-RS participa de reunião de alinhamento da vice-presidência de equidade racial e de gênero do Fórum-RS


27/01/2023
Manifesto pelas vítimas da Covid19 é entregue a representante do Ministério da Saúde


27/01/2023
Covid19: Ministério da Saúde prevê começo de reforço bivalente em 27 de fevereiro


27/01/2023
Coloque na agenda: Conferências Estadual e Nacional de Saúde ocorrem em maio e julho, respectivamente


 
 
Atendimento apenas por agendamento prévio. Clique aqui para agendar seu horário.
Av. Plínio Brasil Milano, 1155 - Bairro Higienópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90520-002 - Fone (51) 3378.5500
©2016 - COREN-RS - Desenvolvido pela Assessoria de Tecnologia da Informação do COREN-RS