Contato / Chat
LiveZilla Live Help
COREN-RS
Acesso do Profissional

CADASTRE-SE | LEMBRAR SENHA

Acesso à Informação
Página inicial >>> SERVIÇOS >>> Notícias

 versão para impressão

17/08/2021
É nesta quarta-feira, 18/08: painel trata de doação e importância dos bancos de pele. ASSISTA!



A importância da doação de órgãos e bancos de pele para atender especialmente vítimas de queimaduras é tema de painel do projeto Cultura Doadora. O transplante de pele pode ajudar vítimas de queimaduras e lesões graves, evitando o agravamento do quadro, além de proporcionar uma melhora estética. O enxerto possibilita que o paciente com queimadura sobreviva às primeiras semanas de tratamento, quando está sem cobertura epidérmica. A pele transplantada funciona como um curativo biológico diminuindo a dor, a perda de líquidos pela ferida e a chance de infecção.

Segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), em média 20% dos pacientes queimados precisam de internação hospitalar e parte desses pode precisar de transplantes de pele para ajudar na recuperação.

Como todas as doações de órgãos e tecidos, a de pele é feita mediante autorização familiar. Porém, diferente da captação de órgãos sólidos, que só pode ser realizada em pacientes com morte encefálica, a doação de pele também pode ser feita em pacientes que sofrem de parada cardiorrespiratória. É retirado apenas 1,5 milímetro de espessura e costuma ser captado do tórax, abdômen, dorso, braços e coxas, áreas enfaixadas deixando a aparência do doador preservada. A pele doada pode ser armazenada por até dois anos.

O Brasil tem apenas quatro bancos de pele para atender todo o território nacional, todos mantidos com recursos provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A Organização Mundial da Saúde preconiza que cidades com mais de 500 mil habitantes tenham um banco de pele.

O transplante de pele iniciou na década de 1920 e revolucionou a medicina. O primeiro banco de pele no mundo foi criado pela Marinha Americana em 1949 e atualmente os EUA tem 60 centros.

Em 2005, foi criado o Banco de Tecidos Humanos da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e, até 2012, foi o único em funcionamento no Brasil, suprindo toda a demanda nacional. Após essa data foram criados bancos de pele em São Paulo, Recife e Rio de Janeiro. O banco de pele é responsável pela captação, processamento, conservação e distribuição.

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, em 2013, demonstrou a importância dos bancos de pele, momento em que mais de 100 pacientes, dos quais 80 muito graves, necessitaram desse tipo de atenção. Na ocasião foram necessários todos os estoques dos quatro bancos de tecidos do Brasil, além do suprimento buscado em outros países.

Painelistas:
> Eduardo Chem, cirurgião plástico e diretor do Banco de Pele da Santa Casa de Porto Alegre
> Suyan Gehlm Santos, biomédica do Banco de Pele da Santa Casa de Porto Alegre
> Marcos Fuhr, presidente da Fundação Ecarta, coordenador e criador do projeto Cultura Doadora

Data: 18 de agosto de 2021, quarta-feira, às 19h

Plataforma: transmissão ao vivo pelo canal da Fundação Ecarta no YouTube (ACESSE CLICANDO AQUI)

Apoio: Coren-RS e Sinpro-RS

Fonte: Fundação Ecarta 

Compartilhe esta notícia com outras pessoas:

Outras noticias

19/07/2024
Cofen vai ao Palácio do Planalto discutir projetos de interesse da Enfermagem


19/07/2024
Participe: Consulta Pública para atualização do Protocolo de Saúde da Criança e do Adolescente do Coren-RS


18/07/2024
Inscrições abertas para cursos e oficinas do 26º CBCENF


18/07/2024
Ministério da Saúde unifica prontuário de pacientes do SUS


 
 
Atendimento apenas por agendamento prévio. Clique aqui para agendar seu horário.
Av. Plínio Brasil Milano, 1155 - Bairro Higienópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90520-002 - Fone (51) 3378.5500
©2016 - COREN-RS - Desenvolvido pela Assessoria de Tecnologia da Informação do COREN-RS