Contato / Chat
LiveZilla Live Help
COREN-RS
Acesso do Profissional

CADASTRE-SE | LEMBRAR SENHA

Acesso à Informação
Página inicial >>> SERVIÇOS >>> Notícias

 versão para impressão

22/04/2022
Concurso Literário: confira os dez textos finalistas! Vencedoras(es) dos prêmios serão divulgados em maio



Já estão definidos os dez textos finalistas do Concurso Literário “Avanços e Conquistas no Exercício Profissional da Enfermagem” do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (Coren-RS). A Comissão Técnica Julgadora analisou as crônicas e poesias enviadas. Das dez produções selecionadas, três receberão prêmios em dinheiro. A revelação ocorrerá no dia 20 de maio, durante as atividades da Semana da Enfermagem 2022. Confira os autores finalistas e os textos logo abaixo, em ordem alfabética:


- Adriane Callegari Lume - poesia

Enfermagem além da arte de cuidar

Me foste apresentada como a arte de cuidar,

Mas mal sabia eu, o amplo universo a esbravejar.

Muito trabalho, diversas lutas, quanto pranto!

Por momentos, por essa arte até perdi o encanto.


Mas ergue-se a cabeça, busca-se aliados.

Mesmo estando, bravos colegas, esgotados.

Unimos forças, buscando mais conhecimento

Por dignidade, valorização e reconhecimento.


Se não bastasse no trabalho a sobrecarga,

Emerge a pandemia, tornando a rotina mais amarga.

Na linha de frente, a Enfermagem segue a luta!

Bravamente há de vencer nova disputa.


Compõe também equipes multidisciplinares,

Ampliando ainda mais novos olhares.

Protagonismo, cuidado e liderança,

É também a profissão da esperança!


Em seus braços acolhe nova vida

E ao lado do idoso está na sua partida.

Cuidado que perpassa todos os ciclos vitais:

Que todos respeitem esses profissionais!


- Ana Luisa Knevitz - crônica

Todos os dias ela se despede de sua família, sai de sua casa, pega a condução e vai até o hospital. Todos os dias a mesma rotina: chegar, vestir seu uniforme, fazer uma oração e começar o plantão. Parece a rotina normal de qualquer pessoa, mas a escolha de se doar para cuidar de outras vidas nem sempre é fácil. As vezes é tão difícil que ela chora, mas sempre se consola, porque sabe que fez o melhor que podia dentro das condições que tinha. Às vezes, ela também se irrita, mas logo ali na frente encontra alguém para agradecê-la imensamente por todo carinho que teve.

Ela sabe que escolheu trabalhar com dor, doenças e seres humanos vulneráveis. Ela tem noção do quanto precisa ser forte, pois estas pessoas dependem do trabalho dela – e, mesmo assim, às vezes, ele não será suficiente e não haverá mais nada a ser feito. Ela não ficou fria diante da morte, apenas precisou aprender que a vida é um ciclo de começo, meio e fim. Essa compreensão a ajuda a continuar neste caminho. Ela segue diariamente como uma heroína invisível, fazendo diferença na vida dos amores dos outros e cumpre suas funções de mais um dia cheio, dançando essa música, ora clássica, ora sem ritmo nenhum.

No fim do expediente, ela volta para sua casa, mas sua luta não termina ali. Por mais que o som dos aplausos vindo das janelas tenham lhe tornado uma estrela, tal qual grandes artistas em fim de espetáculo, ela sabe que ainda há muito a ser feito em busca de seus direitos.

A noite chega mais uma vez. Ela se deita e com fé pensa: “amanhã será um novo dia”.


- Anelise Keunecke Carvalho Veiga – crônica

Crônica de um protagonista

Primeiramente, ao pensar na história da Enfermagem, sobre seus avanços e desafios em busca de valorização da nossa categoria, é importante fazer uma reflexão sobre todos os profissionais da Enfermagem atuantes e comprometidos com a vida do outro em que uma categoria excepcional tem o cuidado e o amor como base do seu fazer profissional. Somado a isso, a atuação da Enfermagem é importante a ponderar sobre os processos de trabalho e as demandas sociais no que diz respeito à pesquisa, ao ensino e à assistência.

Por ser uma história longa, é necessário um olhar resiliente perante à realidade vivenciada pela Enfermagem. Nesse sentido, sobre a minha rotina eu sempre prezo pela atenção e pela escuta além de muito amor, dedicação e empatia ao meu paciente, pois saber escutar, perceber, compreender, identificar as necessidades, manifestar empatia e planejar o cuidado humanizado é o diferencial na prática e surge um efeito lindo no tratamento do paciente.

Diante disso, relato minha experiência durante a pandemia em que o meu dia a dia e, também, da equipe multidisciplinar foram muito além de tudo que buscamos no nosso fazer profissional, pois foram dias intensos, porém de certa maneira recompensado, com feedbacks tanto de colegas quanto de pacientes e de familiares. Compensador em poder ter feito a diferença na vida dos pacientes. Fica evidente o quão grande somos, pois a doação é a nossa missão: temos o propósito de salvar vidas.

Posso dizer que a minha vivência foi inesquecível! Além de estar cuidando de pacientes em hemodiálise, que é a minha área de atuação, relato que foi bem complexo para os pacientes, pois eles não tinham a opção de faltar ao tratamento e, assim, além do tratamento dialítico foi necessário um olhar atento para o psicológico desses pacientes durante a pandemia.

Além disso, tive a oportunidade de apoiar demais áreas do hospital, como emergência e CTI, em que a todo momento a dedicação, a paciência, o amor, o acolhimento e a estratégia de manter a tranquilidade em colocar em prática tudo o que fazemos diante de um cenário único e inimaginável foi indispensável. Tenho guardado aqui dentro de mim momentos tristes, momentos de angústias, momentos de impotência, momentos de exaustão e, inclusive, momentos de alegrias mesmo diante de um cenário caótico – se é que posso falar desse jeito. Foi muito difícil vivenciar essa mistura de sentimentos, o quanto o esgotamento emocional foi experenciado, e em poucos momentos conseguíamos respirar novamente para assim realizar o acolhimento de pacientes e familiares com muito medo do desconhecido.

Ah, o medo... Como esse sentimento me acompanhou, acompanhou a todos nós, bem como a incerteza, a insegurança, a força, a união da equipe… Nunca vi a equipe tão unida! E como foi lindo nosso trabalho, como a gente se reinventou diante das adversidades. A fé e a coragem fizeram parte de todos nós… Lutamos muito! Digo que foi um grande aprendizado, uma grande experiência: diria única experiência.

Eu, como enfermeira, posso afirmar que fazemos a diferença na vida das pessoas, podendo mudar o rumo de suas histórias, com muita dedicação, muito cuidado e muito amor! Celebro o nosso trabalho com muito orgulho: superamos nossos limites físicos, mentais e emocionais a todo instante, e graças a nossa solidariedade, a compaixão e a distribuição de palavras, ou mesmo o silêncio e apenas segurar uma mão para o conforto daquele paciente com tanto medo, ficou muito evidente que vencemos barreiras e medos para estar inteiros e receber tantos pacientes diariamente. 

Sempre gosto de dizer que trabalhamos em um ambiente que estamos entre a vida e a morte em que nossos sentimentos se misturam diante dessa polaridade, e mesmo assim estamos firmes e cheios de amor para compartilhar o nosso saber com essas pessoas que nem conhecemos e isso tudo é muito gratificante, pois realizamos o nosso melhor independente dos acontecimentos.

Portanto, a Enfermagem sempre enfrentou muitos desafios e a superação nos trouxe muitos aprendizados. Mesmo vivendo dias intermináveis em situações nunca antes vividas, nos mantivemos ali fortes, levando esperança para os pacientes. Mais do que nunca demonstramos como somos essenciais para o conforto, a confiança e a cura das pessoas. Passamos por diversas mudanças, novas rotinas foram incorporadas e as equipes passaram a se adaptar às novas estruturas físicas e novas formas de atendimento. Para mim, o maior desafio foi conseguir manter o emocional estabilizado. Todo mundo com muito medo e angústia. Tivemos jogo de cintura para harmonizar as situações e confortar as equipes, passando segurança e otimismo de que tudo vai passar… Só penso que permaneçamos confiantes rumo à vitória e que se solidifiquem ainda mais em nossos corações a confiança, a fé e a esperança.

Sendo assim, minha mensagem da nossa trajetória é marcada por muitos desafios e obstáculos, adaptação e perseverança e que ressignificar tudo isso é dar a si mesmo a oportunidade de transformar algo ruim em algo positivo e continuar vivendo com esperança e motivação. Ressignificar é antes de tudo uma escolha! Viver é um constante ressignificar. Por isso, os avanços e as conquistas no exercício profissional da Enfermagem ficaram nitidamente o quão é importante ressignificar e reinventar e que a arte de cuidar e do saber é o nosso bem mais precioso ao se tratar de vidas. A pandemia evidenciou a importância do enfermeiro na recuperação dos pacientes, nos tornando protagonista de toda essa trajetória.


- Bruna Micaele Barcelos – crônica

Enfermagem na rotina diária

O despertador toca, são 5h30 da manhã. Preciso levantar, arrumar as minhas filhas, fazer o café – preto, de preferência – ir à escola e pegar o plantão às 7h. Eu chego, vejo os colegas, vejo os pacientes, logo vem o acompanhante me pedir para avaliar seu pai (está piorando...). A noite foi agitada, segundo os colegas, então provavelmente a manhã também será.

Analisando a equipe, assisto de perto a exaustão de alguns, principalmente aqueles que trabalham em dois empregos, mas em todos percebo a máxima dedicação a cada paciente. Medicam, fazem a higiene, auxiliam na alimentação e na deambulação, trocam os curativos, previnem acidentes com aqueles de maior risco, tranquilizam a família e o paciente. Todos os dias, muitas escalas, evoluções, avaliações, planos terapêuticos, discussões de casos, exames, altas, admissões e, às vezes, óbitos. A equipe está sempre lá: no tratamento, na recuperação, no luto, na cura; diariamente, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Apesar de tanto esforço e tanta dedicação, nosso trabalho passa despercebido por alguns; seja o acompanhante, seja o colega de profissão, seja a família, sejam os políticos que avaliam nossas reivindicações. Mas quem está na linha de frente, antes, durante e após a pandemia, sabe a importância e a força da sua atuação. Sabe que a Enfermagem é as pernas e as mãos do sistema de saúde. Sempre em frente, sempre na luta!

Objetivamos melhores condições salariais e cargas horárias que não nos sobrecarreguem, para que possamos desempenhar outros papéis com êxito também: somos pais e mães, filhos e filhas, maridos e esposas, temos sonhos e planos além da profissão.

Mas isso é história para outra pessoa contar. O turno terminou, daqui vou a outro emprego. Logo depois preciso descansar, amanhã o dia começa às 5h30 de novo e, com ele, novas cobranças, muitas responsabilidades e, como todos os dias, a vida de outrem sob nossas mãos.


- Bruna Micaele Barcelos – poesia

Enfermagem: essência, conquistas e lutas

Enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, a equipe sempre presente

Dedicam sua vida e carreira profissional

A assistir, cuidar, atender e vigiar – dia e noite – aquele em sua frente

Sob seus olhos zelosos, está a atenção aos pacientes

Sob suas mãos, o cuidado e a assistência tão importantes

E sob a vista daqueles que são cuidados, almas contentes


Reinvenção, renovação, resiliência

Os anos passam e continuamos sendo resistência

Na busca por melhores condições de trabalho, de jornada e de salário

Queremos ter a nossa voz ouvida!

Somos muitos e estamos juntos, toda a Enfermagem envolvida!


Nas múltiplas facetas da profissão, em diferentes áreas, é eficiente

Em ações de gerenciamento, assistência, educação e pesquisa está presente

Nightingale, Nery, Barroso e Seacole foram inspiração

Relembremos que em todas as fases da vida, há a nossa atuação…

Para tudo que fomos, somos e seremos um dia

Buscamos a (tão merecida) valorização!


A todos aqueles que dedicam sua vida a cuidar de outras pessoas

Minha eterna admiração...

Seja no hospital, na atenção primária, nos serviços especializados ou onde quer que esteja

Você faz e sempre pode fazer a diferença à saúde da população

Temos autonomia, agilidade, conhecimentos e um enorme coração

Afinal, Enfermagem se faz com técnica, ciência e humanização.


- Dienifer Mendonça Dos Santos – poesia

Enfermagem por amor?

A popular frase acima

Onde o reclamante contesta

O imodesto ironiza

Mas o profissional reivindica

Tal frase bonita

Que a existência dela

Transporta grande significado

Em peitos esgotados

De profissionais dedicados

O amor pela categoria.


Mesmo cientes da desvalorização

Vestem seus uniformes

De cabeça erguida

Que ali está presente

Um profissional forte

Desde a entrada até a saída

Que a cada despedida

Entre vindas e idas

Somos nós que estendemos nossas mãos

Mãos que auxiliam no processo como um todo

Que consolam e zelam

Mas também na comemoração

O protagonista principal

Recebe o prêmio final

De contemplar importantes momentos

Felicidades estampadas

De volta para casa

E um novo começo.


- Dilmar Xavier da Paixão - poesia

Queremos mais do que poesia!

Trinta e seis anos vigindo.

Grande, a conquista p’ro ofício.

Bem mais antigo, o exercício

e há quem fique discutindo.

Os avanços, que vão surgindo

são resultantes das lutas,

práticas, ciência, condutas…

A Consulta de Enfermagem

- conhecimento, coragem -

conseguimos nos unindo.


Categoria essencial,

profissionais protagonistas.

Por qualidade, as conquistas

têm suor e luta especial.

Rede básica e hospital

têm Enfermagem em ação.

A principal regulamentação

legisla deveres e direitos,

sofre ataques e preconceitos,

mas garante o que é legal.


Pandemia (ou sindemia)

mostrou a Enfermagem presente:

gente que cuida de gente

e, com coragem, contagia.

Tempo integral, noite e dia.

Histórico, o itinerário.

E as 30 horas? E o salário?

Aplauso em algum momento

e discurso de reconhecimento.

Queremos mais do que poesia!


- Karine Elisa Schwarzer Schmidt – crônica

Heróis da Lâmpada

Era mais um dia de primavera, mas o dia estava cinza. Não lá fora, mas aqui, dentro de mim. Já estávamos na terceira semana de radioterapia da minha mãe. Um câncer retal, tratado primeiramente com quimioterapia intravenosa e, agora, quimioterapia oral e radioterapia. E aqui vou eu, sua filha, enfermeira, pesquisadora, no final do doutorado, acompanhá-la no hospital em mais de uma das suas sessões diárias. Estava sendo assim, todos os dias, cinco vezes por semana – de segunda à sexta-feira. Tinha como pausa os findes – e era até estranho nesses dias, no fim da tarde, não tomarmos o rumo do hospital. Sempre a acompanhei.

Nessa quinta eu havia passado o dia em treinamento no hospital – era sobre uma nova técnica de avaliação vascular utilizada em pesquisa. Mas eu já sabia do meu compromisso maior: no fim do dia, eu tinha a “paciente” mais especial me aguardando. “Mãe, eu saí do hospital agora, mas me espera na sala da rádio que eu já estou indo pra lá, tá bom?”. Me fui. Chamei a corrida pelo aplicativo e logo estava lá no complexo de hospitais, onde a minha mãe me esperava silenciosamente, sentada numa cadeira. Ela me viu entrando na porta, e como de costume, me abriu um sorriso – estava escondido por trás da máscara, mas eu vi em seus olhos.

Passei o álcool, higienizei as mãos. Em plena pandemia, ali estávamos nós. Rodeadas de pacientes imunossuprimidos – a quem a possível contaminação por Covid poderia ter um alcance ainda mais comprometedor. Medo, atenção, redobrar os cuidados! Olhei ao redor – e que diacho ter essa visão! Me refiro à visão técnica da Enfermagem que carregamos, mesmo quando não estamos no exercício da profissão – os acessos, as sondas e os curativos nos saltam aos olhos. É inevitável. Até tentei desviar o olhar, mas a verdade é que a gente não consegue. A gente percebe as nuances de forma diferente – e isso é dádiva ou “castigo” numa hora dessas em que você só quer estar ali como filha de uma paciente oncológica? A verdade é que somos indissociáveis – a Enfermagem está e faz parte de nós.

Uma paciente com colostomia sentada ao nosso lado. A equipe de Enfermagem vem trazendo um paciente na maca – o câncer já o havia emagrecido, não podia caminhar sozinho. Reparei o acesso central, a esposa estava ao seu lado – “posso entrar com ele junto?” ela perguntou. Autorizaram e lá se foram. Esperávamos a nossa vez de mãos dadas na sala de espera, já estava no nosso horário.

Chamaram o nome dela! Nesse dia eu também pedi pra entrar junto – expliquei brevemente ao rapaz da recepção a situação, precisava falar com a enfermeira. Ele prontamente me autorizou. Então entramos juntas – ela já até sabia o caminho pra sala dela, mas hoje a gente precisava ir no posto de Enfermagem – “embaixo das escadas, à esquerda”, ele tinha nos dito. Ah, ali estava.

O técnico de Enfermagem na porta da sala nos olhou e perguntou gentilmente: “Em que posso ajudá-las meninas? Só vou pedir pra vocês por favor passarem de novo o álcool nas mãos, tem ali na parede. Vocês sabem, agora na pandemia a gente precisa cuidar ainda mais, muitíssimo mais de vocês não é verdade? Não vamos deixar esse vírus nos derrubar. Agora sim, podem falar, o que vocês precisam?” Expliquei a ele.

A imunidade da minha mãe estava muito baixa com a quimioterapia. O vírus do herpes (que ela nem sabia que tinha e descobriu esses tempos!) se manifestou. De novo. Mas dessa vez foi diferente, foi pior. Abriram feridas, e eram justamente na região da pele onde ia a radiação, o que agravava as lesões e interferia na cicatrização. Ela não achava mais posição pra sentar, não conseguia dormir direito à noite, sentia dor. A ferida estava exposta. Eu já havia olhado em casa (a enfermeira em mim não se conteve) e, dessa vez, sabia que precisava de um cuidado maior. Seguindo as recomendações que nos deram no início do tratamento, não deveríamos passar nada por conta própria – era pra chamar a enfermeira da unidade pra avaliar. E cá estávamos nós, obedientes e apreensivas. A enfermeira chegou e, que surpresa! Era a mesma que havia nos dados as instruções no início do tratamento, na consulta de Enfermagem (ainda bem – pensei, ao menos ela vai saber que seguimos à risca!).

Ela prontamente nos reconheceu! “Oi, como vocês estão queridas? Me contem, o que aconteceu com vocês?”. Explicamos tudo. “Está bem, Dona Maria, vamos cuidar da senhora então! Deixa eu só colocar a minha luva que eu quero dar uma olhadinha, a senhora pode ir deitando ali na maca”, disse ela. “Pode ficar aqui junto com ela se você quiser, tá bom? Eu já volto”, ela falou para mim. Fecharam as cortinas. Ajudei a mãe a deitar na maca. Ela sentia dor para se movimentar e se despir, mas devagar, conseguimos. Ficamos esperando. Lá veio ela.

Estávamos um pouco mais calmas agora. A enfermeira ia ver o que precisava. Ela voltou com uma caixinha de remédios, calçou as luvas e olhou. Percebi o cuidado com que ela manuseava o corpo da minha mãe, respeitando sua dor e delicadamente limpando sua ferida. Ela não sabia que eu era enfermeira. Não quis dizer – porque afinal, de que isso importava agora? Ali eu era apenas a filha da paciente. Também não queria dar o famoso “carteiraço”, como se deveria ter algum privilégio em relação aos demais por também ser enfermeira. Ela não sabia, mas o meu olhar a ela era ainda mais criterioso – sim, o mesmo tal do olhar! E de criterioso, passou a ser de admiração. Ela não sabia quem éramos. Quem éramos? Pacientes do SUS – e viva o Sistema Único de Saúde –, vindos de outra cidade, em nossa debilidade ali, nas suas mãos.

Meus olhos se marejaram de lágrimas pelo misto de sensações: impotência frente à doença da minha mãe, fragilidade por vê-la em suas dores, amor transbordando no coração, angústia que agora se transformava em gratidão. Pelo cuidado, pelo afeto, pelo amparo num momento de dor. Pelo acolhimento sem distinção, pela fala doce e calma que nos trouxe alento, pelas mãos que curavam. Curavam não só o corpo da minha mãe, curavam nossa alma. Nossa. A minha também. Percebi como somos pequenos diante da vida. Como também pequenos gestos são capazes de nos tocar tão profundamente em momentos tão inesperados. Olhei para a minha colega de profissão. Identificação. As cortinas se abriram. Olhei ao redor, a equipe de Enfermagem a postos. Uma técnica trocava o acesso da paciente ao lado, outra checava os sinais, o nosso amigo que nos recepcionou estava atendendo um casal que havia acabado de chegar. Somos da Enfermagem, somos enfermeiras.

“O curativo está pronto, Dona Maria. Pode deixar que agora todos os dias, quando a senhora vier, eu mesma vou aqui vir fazer, tá bom? Por hoje estamos prontas!” Ela me olhou e disse: “Ela vai ficar bem, vamos cuidar dela no que ela precisar”. Eu sei que sim, respondi. Eu realmente sabia.

De repente, uma luz se acendeu dentro de mim. Era como se aquela presença tivesse sido uma lanterna frente aos meus pés num momento de escuridão. Agora eu conseguia enxergar o chão por onde eu estava pisando. Eu não conseguia enxergar muito mais longe à frente, mas nessa caminhada, eu sabia que não estaríamos sozinhas. Olhei pra fora na janela. Consegui observar as cores das árvores da primavera. Iluminou a minha alma, o meu dia, a minha história. Então realmente eu entendi o significado ainda maior da lâmpada como símbolo da Enfermagem –aquecendo, brilhando, clareando caminhos. E quem a carrega e a faz chegar aos enfermos de corpo e espírito são os heróis e heroínas da Enfermagem, esses anjos de branco. São eles, lhes apresento e reconheço, os heróis da lâmpada.


- Karine Elisa Schwarzer Schmidt – crônica

Lute como uma enfermeira

Ainda me lembro como aquela notícia ecoou dentro de mim. 01 de maio. Na tela da televisão, vi meus colegas vestidos de branco, empunhando cruzes, faixas pretas nos braços, cartazes ao alto, o grito do silêncio no Palácio do Planalto. Pedíamos (sim, éramos todos nós, representados por aqueles heróis) condições dignas de trabalho, equipamentos de proteção individual suficientes, defendíamos o distanciamento social necessário no período crítico pandêmico que vivíamos, e homenageávamos com as cruzes em nossas mãos e faixas nos braços nossos colegas de profissão vítimas da Covid19.

Mas em meio ao nosso apelo, agressão. Durante o ato silencioso, um homem começou a filmar os profissionais e, além das agressões verbais, o manifestante agrediu a enfermeira fisicamente com um empurrão e um tapa na cabeça. À reportagem, a minha colega de profissão, enfermeira, dizia: “Os profissionais de saúde no mundo estão sendo aplaudidos, e no Brasil a gente apanha”. Sim, minha colega.

Doeu em você, doeu em nós. Queria nesse momento poder abraçar-lhe e dizer o nosso muito obrigado. Dizer da sua importância e de como você é gigante. Por resistir bravamente à ignorância, por mostrar a nossa força, pela coragem de lutar a cada dia mesmo em condições adversas. Por não se dobrar frente àqueles que querem calar a nossa voz. Nesse 01 de maio todos sangramos com você. Não é possível ver uma cena como essa e não perceber o quanto a nossa luta enquanto categoria pertence, de fato, a todos nós.

Nesse dia, ainda com aquelas imagens em meus olhos e a voz da minha colega na mente, cheguei ao hospital e paramentei-me. Mas percebi que algo em mim mudou. Vesti-me da coragem daquela enfermeira e fui à luta. Senti a sua força e sua bravura reverberando em mim. Fui substituir uma colega de trabalho que precisou ser afastada devido à Covid. No meio do plantão, alta para o quarto de um paciente, 56 anos. Era o meu primeiro dia com ele, conheci sua história pela passagem de plantão. Após uma internação prolongada pelas complicações da Covid, agora estava pronto pra sair da UTI. O quarto estava pronto para recebê-lo, o transporte, autorizado. Fui dar-lhe a notícia. Ele me olhou com ternura. As palavras saíam com dificuldade de seus lábios: “Moça, você é nova por aqui né? Não me lembro de você, mas a minha cabeça andou meio confusa mesmo... Cadê a outra enfermeira, aquela baixinha dos olhos azuis? Como é mesmo o nome dela”? Imediatamente entendi a quem se referia. Era a minha colega, a quem eu viera substituir. Como deveria transmitir a ele a notícia de seu afastamento? Percebi a angústia que havia nele para vê-la. “Olha, senhor Carlos, é a Elaine, hoje ela não pôde vir, também pegou Covid. Ela está com sintomas leves, já tinha tomado a vacina, mas precisou ficar em casa, em isolamento. E eu hoje vim no lugar dela”. “Puxa vida, justo hoje que eu vou pro quarto”? Disse ele, indignado.

Silêncio, passam alguns segundos... Até que ele retoma, a indignação dava espaço às lágrimas em seus olhos e voz se tornava doce e calma. Falou delicadamente: “Queria me despedir dela, ela cuidou de mim todos esses dias que eu tava aqui. Sabe que quando eu entrei aqui pensei que eu não fosse mais sair. A gente fica muito sozinho, mas ela me fazia companhia, quando ela chegava parece que iluminava, me trazia força. E tu vê, agora ela não tá aqui, ela que tá doente. Ô moça, se você puder, manda um abraço meu pra ela”?

E como poderia negar? Gostaria que ela estivesse ali pra receber a gratidão que transbordava naquele olhar. Tive a certeza ainda maior de que ela fizera um excelente trabalho. Aquele pedido não me deixava titubear. Desejei do fundo do meu coração que em seu caminho também houvesse muitas Elaines, que cuidassem dela em seu momento de fragilidade com o mesmo zelo que ela sempre dedicou aos pacientes sob seus cuidados. Entendi que nem sempre temos a oportunidade da despedida, mas as marcas que deixamos intrincadas em nossos pacientes, permanecerão mesmo quando a nossa presença não estiver.

Tive esperança. Lembrei-me também da colega que vi na televisão mais cedo e de como seu exemplo me inspirou. O alcance de nosso trabalho é imensurável. Não sabemos até onde chegarão as sementes que lançamos, mas sabemos que precisamos continuar nossa jornada. É um trabalho em rede, estamos interligados. Os laços que fazemos com nossos pacientes e familiares, os laços com as nossas equipes e colegas de trabalho, os laços invisíveis com aqueles que nos enxergam, a quem inspiramos, e que também nos abraçam em nossas dores e conquistas. A Enfermagem é uma só. A nossa luta não acabou. Senti a força novamente em mim. E falei pra mim mesma ao continuar aquele plantão: #lutecomoumaenfermeira.


- Victoria Leslye Rocha Gutmann – crônica

Carta para um recém-formado

Caros colegas, hoje escrevo para aqueles que se formaram profissionais da Enfermagem em meio a pandemia de Covid19. Claro, que independente do tempo de formação todos e todas foram afetados por essa crise sanitária, que com certeza marcará o século 21. Mas hoje quero falar com os profissionais que encontram como primeira experiência profissional esse novo contexto. Quando que, fazendo o juramento, imaginaríamos que estaríamos nos colocando à disposição nessa luta?Talvez, nem nós, naquele momento, sabíamos de fato a nossa importância.

A pandemia alterou alguns projetos e adiou outros, exigindo resiliência, paciência e adaptação. Um turbilhão de sentimentos se uniu ao fazer saúde e, mais ainda, ao evitar doença. Medo, ansiedade, preocupação, alívio, impotência, frustração. Sentimentos intensos e muitas vezes ambivalentes. Protocolos e medidas sanitárias se tornaram prioridades. Em um momento em que a distância se tornou cuidado, os profissionais da Enfermagem foram e são aqueles que estão próximos ao paciente/usuário/cliente/amor da vida de alguém.

Com certeza foi e está sendo um momento bastante difícil, mas que já deixa muitas lições. Não só a lição de que o mundo deva reconhecer o nosso trabalho, mas que nós mesmos reconheçamos nossa relevância para a saúde e para a ciência. Também, que fique a lição de nos unirmos como classe trabalhadora para que tenhamos os nossos direitos garantidos, pois longe de sermos “super-heróis” ou “super-humanos”, somos trabalhadores e trabalhadoras na luta, seja contra o vírus e seu negacionismo, seja também na defesa do sistema que mais salva vidas nesse país, o Sistema Único de Saúde (SUS).

Embora os desafios sejam muitos, muitos também são os avanços e as conquistas, a começar pela esperança da pandemia estar perto de um fim tão esperado, graças aos esforços de cientistas, profissionais da saúde e, claro, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem que em muito contribuíram na assistência, no tratamento, na recuperação e na prevenção dos casos do novo Coronavírus. Pois esta é a potência da Enfermagem que se permite adaptar-se aos contextos e realidades fazendo surgir novas maneiras de cuidar.

E apesar de tudo isso, segue a certeza de estar no lugar certo. Nessa profissão que nós escolhemos, mas que também nos escolhe em muitos sentidos. Tenho total certeza que ainda há muito a ser percorrido, em um caminho de esforços, questionamentos e de evolução constante. Com a consciência da necessidade de aprimorar determinada técnica ou procedimento, sempre pensando no cuidado de qualidade prestado a quem está do outro lado. Enfim, como é bom dizer: Parabéns pelo nosso dia!


Fonte: Setor de Comunicação e Eventos (Coren-RS)

Jornalista Ronan Dannenberg

DRT/RS 13.181

Compartilhe esta notícia com outras pessoas:

Outras noticias

17/05/2024
SOS Chuvas: informações importantes


16/05/2024
PEC que vincula jornada de 30 horas ao Piso da Enfermagem atinge número suficiente de subscrições


16/05/2024
SOS Chuvas: corredor humanitário é ampliado em Porto Alegre e liberado para a Enfermagem trabalhar


16/05/2024
SOS Chuvas: Coren-RS altera, novamente, prazos de processos éticos e administrativos. Saiba mais!


 
 
Atendimento apenas por agendamento prévio. Clique aqui para agendar seu horário.
Av. Plínio Brasil Milano, 1155 - Bairro Higienópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90520-002 - Fone (51) 3378.5500
©2016 - COREN-RS - Desenvolvido pela Assessoria de Tecnologia da Informação do COREN-RS