Contato / Chat
LiveZilla Live Help
COREN-RS
Acesso do Profissional

CADASTRE-SE | LEMBRAR SENHA

Acesso à Informação
Página inicial >>> SERVIÇOS >>> Notícias

 versão para impressão

25/05/2022
Fiscalização conjunta proposta pelo Coren-RS constata condições inaceitáveis no Instituto Psiquiátrico Forense
A partir da ação, relatório será elaborado para que o Ministério Público e outros órgãos sejam acionados

Condições degradantes, insalubres e desumanas foram constatadas em uma inspeção fiscalizatória realizada nesta terça-feira, 24 de maio, no Instituto Psiquiátrico Forense (IPF), em Porto Alegre. A medida, proposta pelo Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (Coren-RS), reuniu outros conselhos, sindicatos e demais entidades em uma grande ação conjunta. Com o terrível cenário encontrado, será elaborado um relatório para que o Ministério Público e outros órgãos sejam acionados.

“A gente costuma dizer que os locais de trabalho devem ter as mínimas condições para exercer a profissão. Aqui, no IPF, não tem nenhuma condição para exercer a Enfermagem e qualquer outra profissão”, exaltou o coordenador do Departamento de Fiscalização (Defisc) do Coren-RS, João Carlos da Silva. Somente no que se refere à Enfermagem, na ação desta terça-feira o Coren-RS encontrou uma série de irregularidades. Entre elas, apenas duas profissionais da categoria (uma técnica e uma enfermeira) trabalhando no IPF, que tem 193 pacientes. “Isso é muito preocupante. Como elas vão dar conta de tanta demanda, com pessoas que precisam tomar altas doses de medicação psicotrópica?”, questionou João.

Para o coordenador do Defisc, a situação coloca em risco o paciente e o próprio profissional. “Para se ter uma ideia, a medicação chega dentro de um pequeno envelope, preparada por outros funcionários que não são da Enfermagem, e é ministrada entre 7h e 9h30, sem ter como conferir se os usuários realmente tomaram o remédio e se as dosagens estão corretas. Os pacientes, em alguns casos, relatam que a medicação está errada, dizendo que a cor do comprimido, por exemplo, está diferente”, relatou João. “Com essa sobrecarga, as profissionais podem estar cometendo equívocos que pode levar a algum dano”, complementou. No IPF, João esteve acompanhando da conselheira tesoureira, Sandra Gawliski, da procuradora-geral, Paula Noronha e da enfermeira fiscal Daiane Pereira Agnes.

Além do Coren-RS, participaram da ação os conselhos regionais de Medicina (Cremers), de Serviço Social (CRESS-RS), de Farmácia (CRF-RS), de Psicologia (CRP-RS), o Conselho Estadual de Saúde (CES), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), os sindicatos dos Enfermeiros do RS (Sergs) e dos Servidores Públicos do RS (Sindisepe-RS), além da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do RS. A comitiva foi recebida pelo diretor do IPF, o enfermeiro Tadeu Zampiron.

Fonte: Setor de Comunicação e Eventos – Coren-RS
Jornalista Ronan Dannenberg
DRT/RS 13.181

Compartilhe esta notícia com outras pessoas:

Outras noticias

20/06/2024
Comissão Científica finaliza programação do 26º CBCENF


18/06/2024
Enfermeira Fábia Richter, do RS, recebe Colar do Mérito Acadêmico e conquista assento na ABRASCI


18/06/2024
Ministério abre chamada pública para apoio a eventos técnico-científicos em Saúde


18/06/2024
Coren-RS defende nomeação de enfermeira em cargo de gestão no Hospital Cristo Redentor


 
 
Atendimento apenas por agendamento prévio. Clique aqui para agendar seu horário.
Av. Plínio Brasil Milano, 1155 - Bairro Higienópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90520-002 - Fone (51) 3378.5500
©2016 - COREN-RS - Desenvolvido pela Assessoria de Tecnologia da Informação do COREN-RS